slide-slick

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Como se tornar um escritor (Parte VI) - Texto de Tiago F.C. Ramos

Pesquise, pesquise, pesquise.

(Texto do autor Tiago F.C. Ramos) 

https://www.flickr.com/photos/claudiana_gois/5669772730/in/photolist-9D24Uf-jKnLwp-jsPfPj-2sGT1Y-pfMK7z-8W1vDL-2sGT2m-nMrdwG-jzHpqC-8cL5td-eMG2Gc-ToEJq-82Vce1-46WF4N-dmkZq1-otT1Xn-o22Ayw-fu8C79-5gLXib-q5Mgnm-6Hfgw5-7UCbJz-d3PwC-gHAXPM-5gGBjk-jR1y9g-5L5Cvq-q76TCK-dfUD2T-fpYtBP-55QCwE-dvvswX-8SL6UM-e8NowR-bEHbqk-kGZrnR-o4Djqe-5ALLyW-3KB1L2-jQQrvM-bASgQb-7twFXA-bo3XZM-6QagSZ-D3beH-6pGGyR-EfkPkz-8FeMU6-pQseE-bPdcEFOlá escritores e amantes da escrita. O que falarei hoje é mais do que instrução, é uma coisa extremamente necessária. Já ouviu falar em Dan Brown?  Sabia que ele foi muito criticado por fazer certas alterações em coisas históricas?  Eu sei que ele fez isso de propósito, mas sabendo que receberia uma metralhadora de críticas.  A questão que quero tratar com vocês hoje é a pesquisa.

Nunca, jamais, em hipótese alguma, deixe de pesquisar sobre o que está escrevendo.  Qual a importância disso?  Sendo escritor, você é responsável pelo que coloca na mente das pessoas.  É uma responsabilidade. Se você fosse escrever sobre um tema policial, descreveria a estrutura da policia de que modo?  De acordo com o que você acha, ou o que você pesquisou?  Ser alvo de críticas por falha, ou inocência nesse aspecto é um verdadeiro fracasso.
Pesquise bastante antes de por qualquer coisa no papel, e nunca deixe que os críticos tenham razão quando falarem de você.  Eles estão prontos, esperando um prato cheio.  A menos que você altere propositalmente os fatos (e acho perigoso, mas não desencorajo), não dê aos críticos a chance de criticarem.

Outra coisa já falada: você é responsável.  Os seus leitores absorverão as coisas escritas.  Eles podem ser influenciados para o bem, ou para o mau.  Imagine se alguém leu no seu livro que romances são sempre fáceis, que vida é um mar de rosas e que chove champanhe!  Imagine se você diz que a capital do Brasil é a Buenos Aires!  Existem fatos gritantes que você conhece pelo uso, mas coisas complexas como leis da física, história, filosofia entre outros, são muito difíceis de descrever se você não sabe nada sobre essas coisas.  Não diga que a luz sai do Sol e chega a nós em segundos (hoje a maioria sabe que leva 8 min, embora metade da população mundial desconheça o fato de que o Sol é uma estrela).


Entende a questão?  Se quiser escrever sobre algo que não domina, pesquise, E MUITO!  Outra coisa: não confie em tudo (falo do Wikipedia).  Tenha cuidado e sempre pesquise mais e mais, até que toda a informação que procura esteja correta em vários lugares diferentes.  Compare e crie um banco de dados para si.

Bom, depois desse testamento, convido vocês para visitar a fanpage do meu livro.  Agradeço a todos os que comentam e curtem as dicas.  O que vocês dizem é muito importante para nós.  #vamoschape.

*Todo conteúdo da coluna é de inteira responsabilidade do autor TCF Ramos.

Leia os outros posts da coluna:

Acesse o site do autor:  



 Contatos do autor: 

http://www.facebook.com/WixPortugues
Tel :    21 975 54 4388
          21 975 54 3558

tcframos@yahoo.com.br
 

12 comentários:

  1. Olá Tiago! Muito bacana o seu texto. Realmente é importantíssimo que o conteúdo da escrita tenha algum embasamento pois diversas pessoas têm acesso à ele, o que é algo muito sério :)

    Feliz Ano Novo à todos do blog e sucesso sempre!
    EVENTUAL OBRA DE FICÇÃO

    ResponderExcluir
  2. Sabe Roberta, eu me sinto bem pesquisando. E você disse certo, embasamento é acessível para todos com o advento da Internet, desde que seja informação real.

    ResponderExcluir
  3. Concordo com os conselhos expressados no post. Mas tem uma que, na minha opinião, também é muito importante no quesito pesquisa, que é a seguinte: relaxe e escreva! rs

    Sim, porque, se já começamos a escrever uma história com esse grau de estresse, a escrita não vai fluir.

    O meu conselho é: relaxe e escreva!

    Abraços literários, Tiago e Evandro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso Rob, ja até pincelamos um pouco sobre isso. Relaxar e deixar a mente livre ajuda demais. Abraços.

      Excluir
  4. Concordo plenamente. É preciso sim, pesquisar, estudar sobre aquilo que vc pretende escrever, afinal, ninguém quer ler algo totalmente nada a ver... rs
    Muito Bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vanessa, tem alguns livros que são "nada a ver". Alguns são até divertidos em seus devaneios, mas tem outros que não dá, né? Obrigado.

      Excluir
  5. Eu acredito na necessidade da pesquisa, mas apenas para livros didáticos, acadêmicos, instrutivos e afins, para a literatura não vejo nenhum propósito já que a ideia e levar o leitor para dentro do mundo do autor e a originalidade é um ponto fundamental. Se na história fictícia desse autor a capital do Brasil é Buenos Aires, tudo bem, o leitor não esta lendo aquele gênero para aprender geografia e sim para embarcar em um mundo de circunstâncias novas que exitem apenas na imaginação de quem o escreveu.De todo modo, suas dicas são relevantes para os gêneros não fictícios. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Temos que abordar todos os temas aqui. Gosto demais de fantasia, mas o espaço é para todos os gêneros literários. Gostei do seu comentário Adriana. Na fantasia tudo é possível.

      Excluir
  6. Olá. Amei seu post. Concordo com o que disse, temos que pesquisar mil vezes em lugares distintos antes de falar ou escrever uma matéria sobre um assunto no qual não dominamos.
    Beijos.

    meumundosecreto

    ResponderExcluir
  7. Oi, Tiago. Tudo bem?
    Achei muito boa essa dica. Acredito que tem algumas coisas que até da para inventar desde que você tenha consciência do que está fazendo. Eu li um livro recentemente, O Vilarejo, de Raphael Montes, não sei se conhece. É um livro incrível e ele se coloca na história com escritor, na verdade ele se coloca com tradutor. Se não fosse ficção, acreditaria totalmente da veracidade dos fatos. Super indicado é um ótimo livro.
    Mas, como disse isso é uma exceção, pois tem coisa que não dá para vacilar como, por exemplo, dizer que Brasil é capital de Bueno Aires (exemplo seu), aí complica. Adorei a dica.
    Abraço!

    ResponderExcluir

Obrigado pela visita. Deixe sua mensagem, é muito bom saber sua opinião.