slide-slick

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Resenha: A Besta dos mil anos - Ilmar Penna Marinho Júnior (Jaguatirica)

 (...) neste mundo violento ninguém é inocente (...)


A Besta dos mil anos é o Livro I da Trilogia do Apocalipse, do autor Ilmar Penna Marinho Júnior, publicado pela Editora Jaguatirica.  O livro, que já está em sua segunda edição, lançada em 2018, apresenta uma busca incansável e perigosa por uma obra de arte que desapareceu da França e que possivelmente se encontra em algum lugar do Brasil.

Qualquer meio é válido para recuperar o quadro desaparecido.

O Castelo de Angers na França abriga em sua galeria a famosa Tapeçaria do Apocalipse.   O grandioso local está prestes a passar por uma reforma para a instalação de uma nova iluminação para ressaltar ainda mais a beleza da obra.  Acontece que seu curador,  o historiador Ferdinand Rochemont de Sailly e o padre Antoine Duvert têm planos para chamar a atenção do mundo para a tapeçaria e tornar a reinauguração da exposição um grande acontecimento.


(...) ninguém está isento de culpa e de perdão no Juízo Final.

O autor reuniu em seu enredo muitos fatores interessantes e personagens que se destacam.  Utilizando elementos históricos reais, Ilmar Penna criou uma trama que permeia entre mistérios, perseguições, romances e cenários incríveis.  Em 1373, a pedido de Luís I de Valois, os ateliês parisienses de Nicolas Bataille começaram a confecção da  tapeçaria inspirada nas revelações do livro do Apocalipse segundo São João, o que demorou 9 anos para ser concluída.   A obra tinha mais de 100 metros de comprimento e 4,5 metros de altura.  Depois de passar por várias gerações, a tapeçaria foi doada e acabou sendo retalhada em 1783 e posta à venda.  Somente em 1849 foi criado um movimento para reunir novamente essas peças e iniciar um trabalho de restauração.   Porém, muitos quadros dessa impressionante tapeçaria, que se tornou imensamente famosa em todo o mundo, acabaram perdidos e nunca foram recuperados.

Chegou a hora de Ele impor sua vingança, 
em vez de dar a outra face. 

Depois de muita investigação, surgiu uma pista que levaria a um dos quadros mais procurados, a desconhecida cena do Diabo enjaulado por mil anos, o quadro da Besta.   Fontes seguras indicavam que a peça de arte estaria no Brasil, mais precisamente na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro.  Acreditava-se, segundo maldições templárias,  que o quadro representava a desordem no mundo e espalharia coisas terríveis onde estivesse, pois o diabo estaria solto, desencadeando violência, ganância, ódio e muitos outros males que poderiam atingir a humanidade.

(...) num mundo em que as emoções valem mais do que a história verdadeira (...)

Nesse momento, entra em cena o sobrinho do padre, o valente Aurélien, pesquisador, bibliotecário, policial e exímio atirador e campeão do arco e flecha.   Com a missão de procurar uma ONG francesa instalada na Rocinha, onde possivelmente a compra do quadro estaria sendo negociada, ele é encarregado de ir até o Brasil e descobrir o paradeiro e a autenticidade do quadro.

(...) o maior poder do crime no Rio de Janeiro não está na rua, mas reside no interior do sistema penitenciário.


No Brasil, muitas outras personagens são apresentadas. Entre eles, três destacam, como a jovem Júlia que nasceu em Visconde de Mauá, mas seguiu seus sonhos e foi estudar jornalismo na cidade do Rio de Janeiro.  Outro nome forte nesse enredo é Leonardo, com um casamento em crise e um filho adolescente, acabou se apaixonando por Lisa, a astróloga, que aparentemente conseguia enxergar o futuro nos mapas astrais.  Ele era contador e usava seus serviços no escritório para favorecer práticas criminosas envolvendo tráfico de drogas no morro Dona Marta.

Ela o obrigará a viver daqui por diante no fio da navalha.
  Nunca se esqueça disso!
 
Em uma busca perigosa, envolvendo crimes, dinheiro, ambição, religião e fanatismo; muitos destinos terão seus caminhos cruzados e passarão por grandes reviravoltas. Tudo fica ainda mais perigoso quando uma seita satanista mundial da Ordem do Diabo também investe todos os recursos para se apropriar do quadro e possibilitar a adoração da Besta de 7 cabeças.  Um jogo perigoso e uma corrida arriscada para encontrar o diabo que permanece solto pelo mundo colocará muitas vidas em perigo.

Esses adoradores são capazes de matar por dinheiro.

O autor construiu uma trama fascinante e cheia de detalhes em suas 304 páginas. As folhas são amareladas, com fontes e espaçamentos confortáveis.  A capa é linda, estampando o desenho do Castelo de Angers com as letras prateadas. Ilmar Penna tem uma narrativa bastante descritiva.  A narrativa é em 3ª pessoa e, às vezes, se estende em partes paralelas, criando um suspense para o evento principal. Isso não é um problema para mim, mas pode incomodar os leitores que gostam de um ritmo mais contínuo.  É um enredo rico em detalhes e informações, que se entremeiam com cenas de mais ação.    A trama é bem amarrada e com um desfecho de acelerar o coração.  O autor trabalhou perfeitamente o gancho para o próximo livro de modo que me deixou imensamente satisfeito e curioso pelo próximo volume.


A Besta dos mil anos (Trilogia do Apocalipse #1)
 https://www.editorajaguatirica.com.br/livros1/ficcao/a-besta-dos-mil-anos/Autor:  Ilmar Penna Marinho Júnior
Editora Jaguatirica
Edição: 2ª (2018)
Páginas:  304
Formato: 14x21cm
ISBN 978-85-5662-129-0



http://oasyscultural.com.br/

Sobre o Autor:


https://www.facebook.com/Ilmar-Penna-Marinho-Jr-Escritor-566237497084880/
Ilmar Penna Marinho Junior é natural do Rio de Janeiro. Passou a infância e adolescência na Europa, aonde aprendeu a apreciar a cultura francesa. Jornalista, formou-se em Direito pela PUC-Rio e diplomou-se em Master of Comparative Law pela Georgetown University, Washigton, DC. Foi Secretário de Administração no Estado do Rio de Janeiro e Diretor da Neclebrás. Exerceu relevantes funções de confiança na PETROBRAS. Publicou os seguintes livros: "Petróleo - Soberania & Desenvolvimento" (Editora Bloch, 1970), "Petróleo: Política e Poder" (Editora José Olímpio, 1989), "Águas profundas ou o Petróleo é nosso" (Editora Revan, 1998), "O Quinto Poder" (Editora Razão Cultural, 2000) e "A Besta dos Mil Anos" (Novo Século, 2010), primeiro livro da "Trilogia do Apocalipse". Em 2018, republicou o Livro I da Trilogia do Apocalipse e  o segundo livro "A Besta de Lucca", ambos pela Editora Jaguatirica.

Onde Comprar:

https://www.editorajaguatirica.com.br/livros1/ficcao/a-besta-dos-mil-anos/

https://www.travessa.com.br/a-besta-dos-mil-anos-volume-1/artigo/f1f25656-2074-40d0-aaca-57e59de5d19a?pcd=041&gclid=Cj0KCQjwxtPYBRD6ARIsAKs1XJ5dgkT_62ylS6HtHchCdr71bMaLuAZw6ysnS1XsdvH72jMqL1lq7OAaAgSrEALw_wcB


* Livro cedido gentilmente pela Oasys Cultural.

27 comentários:

  1. Parabéns, resenha muito bem feita, da pra se ter total noção do assunto do livro e no que ele passa para nós . sucesso no blog.
    www.josibarros.com

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do assunto do livro, achei interessante e trabalhoso toda a pesquisa em torno de um assunto tão complexo, parabéns pela resenha, irei ler este livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é um enredo que exige todo um estudo e além disso ser criativo para trabalhar com os elementos reais, criando uma ficção interessante.

      Excluir
  3. O tipo de enredo me lembrou os livros de Dan Brown, que por sinal gosto muito. Essa mistura de História, religião e aventura é sempre fascinante; a abordagem do Apocalipse chama a atenção pela complexidade do tema. Fiquei muito feliz em saber que o autoria é nacional, Ilmar Penna é mais um escritor brasileiro que nos enche de orgulho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Patrícia. Lembra sim em partes os livros do Dan Brown pelos elementos. E tem o cenário brasileiro, focando principalmente na cidade do Rio com as favelas da Rocinha e Dona Marta.

      Excluir
  4. Super interessante, adorei a sua resenha. O enredo me lembrou muito o Dan Brown também! Com qual outra obra você compararia em termos de escrita?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Mari. Os elementos lembram o enredo do Dan Brown, pelo fato das obras de arte e toda essa busca por ela. O autor desenvolveu a trama com seu próprio estilo, incluindo muita coisa nova e várias ramificações.

      Excluir
  5. Prezado Evandro, venho agradecer a sua bem fundamentada resenha no blog ATRAENTEMENTE, a primeira que recebo, depois que A Besta dos Mil Anos foi reeditada. Me senti muito honrado com o excelente trabalho crítico, embasado num profundo conhecimento literário de quem é “fascinado pelos livros desde criança”. Fico muito gratificado pela captação dos detalhes da trama, opinando com maestria o quanto a história do desaparecimento da tapeçaria é válida como entretenimento, tendo conseguido à perfeição transmitir a narrativa de suspense aos seus numerosos leitores, que amam os livros, que estão sempre em busca de algo diferente, inédito e cativante num romance, que se rotula policial. Fico intelectualmente recompensado com a bem-vinda manifestação de apoio, firmada na sua reputação de um blog voltado para a literatura, avaliando com honestidade quem merece ser lido, diante de um escandaloso marketing de divulgação de livros, que muitas vezes não fazem jus aos títulos lançados. Agradeço do fundo da alma, como autor brasileiro, as suas palavras finais de incentivo à leitura do meu romance:
    “É um enredo rico em detalhes e informações, que se entremeiam com cenas de mais ação. A trama é bem amarrada e com um desfecho de acelerar o coração. O autor trabalhou perfeitamente o gancho para o próximo livro de modo que me deixou imensamente satisfeito e curioso pelo próximo volume”.
    Meus Parabéns!
    Ilmar Penna Marinho Junior

    PS: Para sua informação já está em operação o site https://ilmarpennamarinhojr.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma honra tê-lo por aqui. Obrigado pelas palavras e pelo carinho. Vou adicionar o link na resenha.

      Excluir
  6. Que maravilhoso o livro do autor Ilmar Penna, a história chama muito a atenção já que o autor utilizou elementos históricos reais, a história é surpreendente, gostei bastante da resenha muito bem escrita, a gente se envolve com a história. Com a história do livro a gente pode esperar uma leitura magnífica, abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lucimar. É um assunto fascinante mesmo, ainda mais unindo realidade e ficção. Que bom que gostou.

      Excluir
  7. Nossa, a trama parece bem instigante e essa busca pela obra de arte promete muita emoção!! Quando a leitura é prazerosa o leitor não vê a hora de ler os próximos volumes! Fiquei curiosa e interessada pela obra!!
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita, Cidália. Que bom que gostou.

      Excluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Adoro enredos que têm obras de arte no meio, gosto da ideia da trama descritiva entremeada com ação. Só fiquei com um pouco de receio dessa relação do quadro da besta com o diabo estar solto no mundo, mas fiquei com vontade de ler mesmo assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia se puder. Esse assunto de que o mal estaria solto sobre a terra com o quadro perdido por aí veio da época dos templários.

      Excluir
  10. Parabéns pela resenha, bem feita e muito objetiva, além de muito bem escrita. Não conhecia esse livro ainda. Beijo

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia a triologia, mas chamou bastante minha atenção, acho que esse é um dos livros que li a resenha aqui e mais fiquei com vontade de ler ♥

    ResponderExcluir
  12. Uma trilogia com este nome não poderia parecer menos intenso! Que demais essa resenha, me deixou aqui extremamente curiosa para ver todo o desenrolar desta trama perigosa e envolvente. Ainda mais ao imaginar uma obra de arte que veio parar na favela da Rocinha. Demais!

    ResponderExcluir
  13. Muito boa a sua resenha! Adoro livros assim, de mistério, suspense... apor usar um tema já conhecido e repassado há anos e anos, como o Apocalipse, deve dar até medo em certas pessoas mais sensíveis, mas deve valer super a pena a leitura. Quero ler!

    ResponderExcluir
  14. Olá, Evandro! Que resenha tão bem feita. Adorei me deparar com ela, e já fiz questão de seguir o autor no facebook, parece que ele escreve muito bem. Ansiosa para as próximas resenhas dos outros dois livros.

    Abraço||Psicologia de Boteco
    www.psideboteco.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. O resenhista do Blog está lendo exatamente esse livro.
    Espero que ele goste e surpreenda, que fique instigado a ler tanto quanto você ficou rs.
    Adorei a resenha.

    Tenha uma ótima noite!

    Abraços,
    Naty
    http://www.revelandosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  16. Olá!!
    Também achei essa capa lindíssima, adoro livros com mistérios e suspense e esse livro me deixou com muita vontade de ler, Parabéns pela resenha, muito bem escrita!!

    ResponderExcluir
  17. Muito bom! Eu amei! Esse livro é, na verdade, uma busca incessante, fiquei muito interessada também porque tem algo relacionado com a Rocinha, no RJ, um cenário muito polêmico do nosso Brasil. Quero muito poder viajar nessa aventura, um livro que realmente merece ser lido1

    ResponderExcluir
  18. Imagino ser difícil parar a leitura. Achei muito mirabolante as características do Aurélien "pesquisador, bibliotecário, policial e exímio atirador e campeão do arco e flecha" mas, acredito que seja uma boa história.

    ResponderExcluir

Obrigado pela visita. Deixe sua mensagem, é muito bom saber sua opinião.