slide-slick

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Um dia na Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro


Depois de onze dias repletos de novidades e muitos lançamentos, chegou ao fim a XVIII Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro.  A feira é um dos eventos mais aguardados pelos fãs de literatura, reunindo leitores, editoras e autores nacionais e internacionais.

https://www.bienaldolivro.com.br/Eu havia planejado para esse ano dois dias de bienal, mas mudei os planos no meio do caminho e resolvi aproveitar a viagem para conhecer o AquaRio (falo dele em outro post).  Quem já foi à bienal, sabe o universo maravilhoso que nos é apresentado, mas sabe também que é um desafio enfrentar várias horas naquele tumulto.

Nesse post irei focar nas dificuldades, já que as coisas boas são tantas que seria um post enorme. A Bienal do Livro no Rio acontece no Riocentro, sede dos principais eventos nacionais e internacionais do país.  O local fica na Barra da Tijuca e, dependendo do lugar onde você estiver, o trajeto pode ser bem demorado.  A boa notícia é que com a extensão do metro, através da linha 4, fazendo integração com o BRT, que também se estendeu através da Transolímpica, ficou muito mais fácil chegar ao Riocentro.  Isso não significa que será super rápido, mas facilitou bastante, já que descemos em frente ao local sem enfrentar todo o transito de antes.  Como eu estava hospedado em Botafogo ainda ficou um pouco demorado, mas digo que valeu à pena cada seguro, embora tenha sido a distância um dos motivos que me fez desistir de voltar uma segunda vez.

Fui em uma segunda-feira e o local, pelo menos, estava transitável.  A entrada foi bastante cansativa para quem decidiu comprar o ingresso na hora (feito eu).  Jamais façam isso! Por sorte não tinha fila grande, mas seguindo o roteiro teria que enfrentar toda a fila para comprar e depois outra fila para entrar. O que seria obrigatório em um horário de grande movimento, se tornou um transtorno refazer todo o trajeto em zigue-zague, sendo que poderiam abrir uma corrente, liberando uma passagem, e daríamos dois passos e já estaríamos na entrada da bienal.

Sei que muitos não concordam, já que cultura é essencial, mas acho o preço da bienal bastante salgado - R$ 24,00.    É um local onde ninguém sai de mãos vazias, portanto deveriam diminuir esse valor, já que lá dentro, embora estejam os melhores lançamentos, os preços nem sempre são mais baratos que nas compras online.  A alimentação também é outro item complicado.  A invasão dos Food trucks trouxe variedade, mas dificilmente se gasta menos de vinte reais em algo bem básico (como um pastel e um refrigerante, por exemplo).  Em dois locais, as opções escolhidas tinham acabado e em outro teria que esperar mais de uma hora pelo pedido.  É nessa hora que um lanchinho ou um biscoito na mochila cairia super bem.

Outra mudança que percebi foi em alguns estandes que, nos anos anteriores, investiam pesado em painéis luminosos e atrações, agora parece que resolveram abusar mais na criatividade.  Seria efeito da crise?   O número de autores nacionais também aumentou bastante, seria outro efeito da situação atual do Brasil, ou realmente estamos valorizando os nossos talentos?

Alguns espaços estavam superlotados e outros vazios.  Culpa da aglomeração de estandes de editoras famosas que acabam disputando o mesmo espaço, ocupando os lugares principais.  Outras editoras, menos conhecidas ou autores independentes, acabam ficando nos cantos ou mais isolados e, por consequência, menos visitados.  Isso ocorre muito no Rio, já que os estandes ficam divididos em 3 pavilhões, sendo quem em São Paulo dividem apenas um pavilhão imenso.
Mas, mesmo enfrentando tais dificuldades, é super válido uma visita à Bienal.  Estar em um ambiente repleto de livros, lançamentos e autores não há preço nem dificuldade que deva ser empecilho.  E tem tanta coisa boa envolvendo cultura no geral, tantos debates, conversas, que é impossível aproveitar tudo.  É também um ótimo lugar para conhecer novas pessoas e ficar antenado em tudo o que está acontecendo no cenário literário.  A criançada se dá bem com diversas atividades e promoções a partir de R$ 2,00. Que venha a próxima e, quem sabe, nos encontraremos em São Paulo em 2018.

  Confiram mais algumas fotos do evento:

 
 
 
 

 

4 comentários:

  1. Um dos meus sonhos a realizar é ir a uma bienal do livro!

    ResponderExcluir
  2. Evandro ouvi falar que a Bienal foi um sucesso, quem foi para a feira do livro deve ter gostado muito. Quem é fã de livros não poderia perder essa oportunidade de visitar a feira. Fiquei aqui olhando as fotos que lindas, muita gente, gostei da sua foto a sentado, concordo com você estar em um ambiente repleto de livros e autores não há preço nem dificuldades, muito bom para quem foi, com certeza vocês escritores adquiriu muitas experiências, bjs.

    ResponderExcluir
  3. Oi Evandro! Li que a Bienal foi um secesso total! Eu adoraria ir nela um dia, acho maravilhoso conhecer os autores pessoalmente e novos livros. Por aqui onde moro todo ano tem o Salipi, não é tão grande quanto a Bienal, mas já dá um ótimo gostinho! Adorei suas fotos!

    Abraços

    www.biashaina.com.br

    ResponderExcluir
  4. ola tudo bem ? Tenho muita vontade de conhecer a bienal do livro mais não tive a oportunidade. enquanto isso fico aqui curtindo as fotynho e conhecendo um pouquinho pelo seu post , obrigado por compartilhar e me da a oportunidade de ver com os seus olhos. Bjssss

    ResponderExcluir

Obrigado pela visita. Deixe sua mensagem, é muito bom saber sua opinião.