slide-slick

terça-feira, 21 de junho de 2016

Resenha - Na Margem do Rio Piedra eu sentei e chorei

Uma lenda diz que tudo o que cai  nas águas frias do rio Piedra - folhas, insetos, penas de aves - se transforma nas pedras que se acumulam ao longo de seu leito.   É nas margens desse rio que Paulo Coelho nos apresenta Pilar e também nos fala "daquele instante mágico, aquele momento em que um sim ou um não pode mudar toda a nossa existência."
Na margem do rio Piedra eu sentei e chorei fala de amor, escolhas e renúncia.  Por mais que cada sofrimento pareça uma exclusividade, "todas as histórias de amor são iguais" em sua essência.

Eles passaram a infância e adolescência nos campos de Soria, interior da Espanha.  Ele tinha sonhos de conhecer o mundo, e um dia, como outros rapazes, foi embora em busca de dinheiro, aventuras, ou sonhos.  Às vezes, ela recebia uma carta ou outra, mas ele nunca mais voltou à cidade onde cresceram juntos.  Ela seguiu a vida, mudou-se para Zaragoza, e enquanto ele deixava crescer suas asas ela procurava criar raízes. 
Um certo dia ele escreveu contando-lhe o desejo de entrar para um seminário, em outra ocasião soube que estava dando palestras e recebeu um cartão onde ele a convidava para encontra-lo em Madrid, e fazia questão de sua presença.


Durante 7 dias ele tentou mostrar a ela o sentimento que guardou desde o tempo de menino.  Mas estava dividido entre o amor por essa mulher e a vocação que o guiava para uma entrega total ao seminário. Pilar, sentia-se presa a uma vida que planejou e tinha medo de segui-lo.  Ela o conhecia bem, suas fraquezas e temores, mas os sentimentos podiam surpreende-la. 

Diante de uma batalha com a "Outra" dentro dela, redescobriu sua fé e conheceu a face feminina de Deus em que ele acreditava.  O encontro mudou algo dentro dela e agora ela caminha em um terreno desconhecido, onde os sentimentos mudam a todo instante, o outono se transforma em primavera.

Agora, ambos terão que escolher qual caminho seguir, mas nada mais seria igual depois dos 7 dias que passaram juntos.

Esse livro, Na margem do rio Piedra eu sentei e chorei de 1994, é o primeiro da trilogia “E no sétimo dia…” escrito por Paulo Coelho.  O segundo foi  Veronika decide morrer de 1998 e último é O Demônio e a Srta. Prym de 2000 (confira resenha aqui).  Os três falam de mudanças e de como o confronto com o amor, a morte e o poder podem mudar drasticamente a vida de qualquer pessoa normal.

O livro peca pelo excesso de mensagens e exploração do tema religioso.  Por mais que esteja integrado no enredo, uma dosagem deixaria a história fluir um pouco melhor e daria ritmo aos acontecimentos.  A ideia principal é interessante, incluindo algumas reflexões.  Leia e tire suas conclusões. 


" Sei que o amor e as represas são iguais:  se você deixa uma brecha por onde um fio de água possa se meter, aos poucos ele vai arrebentando as paredes - e chega um momento em que ninguém consegue mais controlar a força da correnteza."
 


Na margem do rio Piedra eu sentei e chorei
Autor : Paulo Coelho
Coleção Paulo Coelho
Edição 1
Ano: 2005
Páginas: 191
Idioma: português
Editora: Gold

31 comentários:

  1. que livro maravilhoso ,adorei. bj ;* https://milahfernandesblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. rsrs Muitos não gostam rsr Você não está sozinha.

      Excluir
  3. oi oi!!! Eu adoro os livros de Paulo Coelho justamente por serem bem reflexivos e trazerem a espiritualidade à tona... Sua resenha ficou incrível!

    Grande abraço!
    eventualobradeficcao.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie, Roberta. Obrigado. Alguns eu gosto bastante, outros não muito. Mas quero ler todos.

      Excluir
  4. Geralmente os filmes que fazem dos livros do Paulo Coelho são melhores que a própria obra. Esse filme tem sido sondado para ir pra tela, não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse eu realmente não sei informar. Sei que tem o Veronica decide morrer e o onze minutos (não sei se já concluído. Tem também outros direitos vendidos.

      Excluir
  5. Ops...Paulo Coelho me deixa confusa, tem boas histórias, mas não grandes livros...sei lá...alguém me entende!!kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrs eu te entendo, Juliana. Já falei isso uma vez. Alguns tem uma história incrível, mas não são bem desenvolvidos.

      Excluir
    2. Gislaine dos Santos da Fonseca24 de junho de 2016 19:22

      Não concordo. Acho Paulo Coelho profundo, espiritualizado. Tem que estar com a mente e o coração abertos pra ler. Ele escreve sobre o que acredita.

      Excluir
    3. Eu gosto de ler Paulo Coelho, acho que em alguns livros, embora a essência seja boa, ele deixa a trama principal em segundo plano para focar na mensagem. Porém, cada livro é um livro, alguns eu adorei.

      Excluir
  6. Engraçado esse é o único livro de Paulo Coelho que não me sai da memória, fiquei com as sensações criadas durante minha leitura. Talvez se o lesse agora notaria esse excesso de mensagens que tu falas. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que tudo depende do momento que a gente lê. Às vezes até bula de remédio me emociona rsrs

      Excluir
  7. Bela capa, um dia espero ter a oportunidade para ler o livro.


    Beijo! ❤

    http://umtooquedemulher.blogspot.com.br/?m=0

    ResponderExcluir
  8. Apesar de não gostar muito de Paulo Coelho sua resenha ficou excelente, parabéns!!

    madminds.weebly.com

    ResponderExcluir
  9. Olha, vou te confessar que não fazia ideia de que era parte de uma trilogia, rs.
    Sempre tive curiosidade de saber sobre o que se tratava o livro e gostei muito da resenha.
    Me soou semelhante ao "O seminarista", de Bernardo Guimarães!

    Bjos! Adorei o blog! ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não li o Seminarista. Eu também fiquei sabendo da trilogia quando li Verônica decide morrer, pq trazia essa informação na contra capa. São história independentes, com personagens diferentes, o único fator que os liga é o lance de se passar em 7 dias que de alguma forma muda a vida do personagem.

      Excluir
  10. Nunca li nada de Paulo Coelho, mas vejo que você gosta, os livros dele deve ter algo especial. Ótima resenha Evandro.

    http://www.vestigiodelivros.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elivelton, rsr, eu fico curioso e acabo lendo. Não sou um fã ardoroso de Paulo Coelho, longe disso, mas tenho vários livros.

      Excluir
  11. Olá, Evandro.
    Eu nunca tive oportunidade de ler nenhum do Paulo Coelho e se algum dia eu ler, certamente não vai ser esse. No decorrer da resenha tive a impressão que é um enredo nem clichê e se tem uma coisa que passo longe é de clichê.
    Sua resenha ficou ótima! Parabéns.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se nunca leu e algum dia for ler, também não aconselho esse. Leia O demônio e Srta Prym (resenha no blog)

      Excluir
  12. Nossa, esse livro é muito conhecido, minha tia tem ele, acho que vou pegar emprestado pra ler...
    Ótima resenha :)

    http://www.entreeles.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente esse livro é bastante conhecido. Faça como eu, leia e depois diga o que achou. Brigadão pela visita, Luciano.

      Excluir
  13. Apesar desse livro ser bem conhecido, ainda não li, acredita? Agora, lendo sua resenha fiquei curiosa. A Andresa citou o Seminarista, esse eu li na época do colégio e gostei bastante.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, eu acabei esbarrando com ele em um sebo e achei que tinha chegado a hora rsrs Obrigado pela visita, Cidália.

      Excluir
  14. Apesar desse livro ser bem conhecido, ainda não li, acredita? Agora, lendo sua resenha fiquei curiosa. A Andresa citou o Seminarista, esse eu li na época do colégio e gostei bastante.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  15. Pareceu-me um livro fantástico!


    http://umaquestaodeespaco.blogspot.pt/2016/11/manual-do-felizardo.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Miguel. Obrigado pela visita. Que bom que gostou.

      Excluir

Obrigado pela visita. Deixe sua mensagem, é muito bom saber sua opinião.